Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

05-2-640x640-300x300-1
No comando: Adélia Nascimento / BOM DIA NAZA

Das 08:00 às 12:00

naza-fm-logo
No comando: Pe. Pedro / PROGRAMA TESTEMUNHO DE FÉ

Das 09:00 às 10:00

img-20190325-wa0041
No comando: Flávio Nicetas / ESPAÇO ABERTO

Das 12:00 às 14:00

img-20190207-wa0160-300x200
No comando: Pedro Massa / OBA OBA

Das 14:00 às 16:25

img-20190325-wa0041
No comando: Flávio Nicetas / SEXTA DO BREGA

Das 15:20 às 17:00

img-20190207-wa0160-300x200
No comando: Pedro Massa / NAZA SERTANEJO 2ª AUDIÇÃO

Das 16:25 às 17:00

04
No comando: Cumpadre Muniz / FORROZÃO DA NAZA

Das 17:00 às 19:00

naza-fm-logo
No comando: A VOZ DO BRASIL

Das 19:00 às 20:00

naza-fm-logo
No comando: NAZA HITS

Das 20:00 às 22:00

naza-fm-logo
No comando: COISAS DO CORAÇÃO

Das 21:00 às 23:59

naza-fm-logo
No comando: COISAS DO CORAÇÃO

Das 22:00 às 23:59

img-20190325-wa0041
No comando: Flávio Nicetas / SÓ NOTÍCIAS

Das 06:00 às 07:40

Compra de bebida alcoólica gerou briga que resultou na morte da mulher empurrada do 1° andar

Compartilhe:
33149847580004753650000

A Polícia Civil de Pernambuco detalhou, na manhã desta quarta-feira (26), a morte da agente de saúde Márcia Araújo Severino da Silva, de 44 anos, que foi empurrada pelo companheiro, o pedreiro Fábio Lourenço da Silva, de 35 anos, do 1º andar do apartamento onde o casal morava no bairro de Água Fria, na Zona Norte do Recife.

Segundo o delegado Sérgio Ricardo Vasconcelos, responsável pela investigação, a morte aconteceu por volta das 4h20 da madrugada da última segunda-feira (24), após uma discussão por causa de bebida alcoólica.

“Márcia estava no apartamento bebendo com Fábio e com o irmão dele. Durante a madrugada, ela pediu para que o cunhado fosse comprar cerveja fiado e deu a identidade dela para que ele fizesse a compra”, comentou.

O delegado explicou que, após o irmão do suspeito sair do apartamento para comprar a bebida, o companheiro da vítima, com quem ela mantinha um relacionamento havia 6 meses, começou a agredi-la, quebrando garrafas de vidro nela.

Leia também:
Delegada diz que confissão não define investigação de morte de pastor
Presos no Recife suspeitos de agiotagem e ameaça de morte

“Fábio não gostou do pedido de Márcia, e, momentos depois de praticar a agressão, ele empurrou ela do corredor do 1º andar do prédio, que sofreu uma pancada forte na cabeça. Após o ocorrido, o homem desceu do apartamento e encontrou seu irmão, que estava voltando da venda. Ele disse para o irmão que tinha feito uma besteira, que tinha que sair dali rapidamente e entrou no próprio carro, fugindo do local”, detalhou.

Ainda de acordo com o delegado, o homem foi parar em um posto de gasolina, mas minutos depois voltou ao local do crime, quando percebeu a presença do Samu na área e fugiu para a casa da mãe, localizada no mesmo bairro.

Márcia chegou a ser socorrida para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), de Nova Descoberta, também na Zona Norte do Recife, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. Antes disso, segundo o delegado, ela falou para a mãe que o marido seria o autor do empurrão.

“A mãe da vítima indicou a casa da mãe do suspeito como um local para possível fuga. Fomos, o encontramos lá, o autuamos em flagrante e o encaminhamos para prestar depoimento do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Durante o depoimento, ele negou a autoria do crime, mas o irmão dele contou o que Fábio tinha dito ao encontrá-lo após o crime, sobre ter feito uma besteira, o que confirmou a autoria do suspeito no feminicídio”, afirmou.

De acordo com a delegada da Delegacia da Mulher Ana Elisa Sobreira, Márcia era constantemente agredida pelo companheiro, que já havia quebrado o braço dela após  discussão. Em 2018, uma ex-companheira do mesmo homem registrou uma queixa contra ele na Delegacia da Mulher do Recife depois ser também agredida pelo suspeito.

“Márcia não chegou a registrar nenhuma queixa contra o companheiro, e as constantes agressões acabaram levando-a à morte. Esse caso serve como um alerta para que mulheres que passam por situações parecidas possam denunciar, romper com esse ciclo de violência e não serem mortas”, alertou.

Fábio Lourenço da Silva foi encaminhado para audiência de custódia, onde o juiz converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva pelo crime de feminicídio. Ele foi encaminhado para o Centro de Triagem em Abreu e Lima (Cotel), em Abreu e Lima.

Folha PE

Deixe seu comentário: