Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

05-2-640x640
No comando: Adélia Nascimento / BOM DIA NAZA

Das 08:00 às 12:00

novo
No comando: Pe. Pedro / PROGRAMA TESTEMUNHO DE FÉ

Das 09:00 às 10:00

flavio
No comando: Flávio Nicetas / ESPAÇO ABERTO

Das 12:00 às 14:00

pedro-300x300
No comando: Pedro Massa / OBA OBA

Das 14:00 às 16:25

02
No comando: Flávio Nicetas / SEXTA DO BREGA

Das 15:20 às 16:00

pedro-300x300
No comando: Pedro Massa / NAZA SERTANEJO 2ª AUDIÇÃO

Das 16:25 às 17:00

04
No comando: Cumpadre Muniz / FORROZÃO DA NAZA

Das 17:00 às 19:00

naza-fm
No comando: A VOZ DO BRASIL

Das 19:00 às 20:00

naza
No comando: NAZA HITS

Das 20:00 às 22:00

naza
No comando: COISAS DO CORAÇÃO

Das 21:00 às 23:59

naza
No comando: COISAS DO CORAÇÃO

Das 22:00 às 23:59

flavio
No comando: Flávio Nicetas / SÓ NOTÍCIAS

Das 06:00 às 07:45

Itaquitinga: Um presídio, muitos problemas

Compartilhe:
02

Uma entrega sem alerde, sem avisar à imprensa e sem questionamentos sobre a obra. Foi assim que, na manhã desta última segunda-feira (08) o governador Paulo Câmara entregou oficialmente a Unidade I do Centro Integrado de Ressocialização de Itaquitinga.

O centro não será inaugurado. “Não precisa de inauguração. Vamos começar a ocupar”, afirmou o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico. Segundo ele, no prazo máximo de até 30 dias, cerca de 200 presos do Complexo do Curado serão inicialmente transferidos para o polêmico prédio.

A unidade construída inicialmente para o regime semiaberto, foi adaptada para abrigar cerca de mil presos do regime fechado, ajudando a desafogar presídios da Região Metropolitana do Recife. “Será uma transferência gradativa. Teremos 25 cães policiais ajudando na segurança, o primeiro raio-X corporal em funcionamento em unidades prisionais do Estado, biometria e carteira eletrônica. Tudo isso precisa ser testado”, disse Pedro Eurico.

Previsto para começar a obra em Outubro de 2009, o presídio de Itaquitinga só teve os serviços iniciados, de fato, em julho de 2010. No primeiro trimestre de 2012, inadimplência e problemas contratuais com as empresas responsáveis pela execução das obras e a operação do presídio atingiram o ponto máximo,  culminando com a paralisação total dos serviços.

Deixe seu comentário: