Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

01
No comando: Patrocínio Filho / BOM DIA NAZA

Das 08:00 às 12:00

01
No comando: Patrocínio Filho / NAZA SERTANEJO 1ª AUDIÇÃO

Das 09:25 às 09:55

00
No comando: Pe. Reginaldo Manzotti / PROGRAMA EXPERIÊNCIA DE DEUS

Das 10:00 às 11:00

flavio
No comando: Flávio Nicetas / ESPAÇO ABERTO

Das 12:00 às 14:00

02
No comando: Pedro Massa / OBA OBA

Das 14:00 às 16:00

02
No comando: Flávio Nicetas / SEXTA DO BREGA

Das 15:20 às 16:00

02
No comando: Pedro Massa / NAZA SERTANEJO 2ª AUDIÇÃO

Das 15:30 às 16:00

04
No comando: Cumpadre Muniz / FORROZÃO DA NAZA

Das 16:00 às 18:00

03
No comando: Josildo Santos / NOTÍCIAS DAS 6

Das 18:00 às 19:00

naza-fm
No comando: A VOZ DO BRASIL

Das 19:00 às 20:00

05
No comando: Adélia Nascimento / NAZA HITS

Das 20:00 às 22:00

05
No comando: Adélia Nascimento / COISAS DO CORAÇÃO

Das 21:00 às 23:59

adelia
No comando: Adélia Nascimento / COISAS DO CORAÇÃO

Das 22:00 às 23:59

flavio
No comando: Flávio Nicetas / SÓ NOTÍCIAS

Das 06:00 às 07:45

Saúde: Vacina contra febre amarela é segura, mas ainda precisa mudar

Compartilhe:
02

A ressurgência da febre amarela no Brasil trouxe à tona a necessidade de desenvolver uma nova vacina contra a doença, com menos risco de efeitos adversos. A vacina atual, usada desde a década de 1930, é comprovadamente segura, mas há casos raros de pessoas doentes que chegam a morrer após a injeção. “Sim, estamos preocupados. Não estamos satisfeitos”, disse ao Estado o especialista Akira Homma, assessor científico sênior do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos da Fundação Oswaldo Cruz (Bio-Manguinhos/Fiocruz), instituição responsável pelo desenvolvimento e produção da vacina da febre amarela no Brasil. Pesquisas já estão em curso para o desenvolvimento de um novo imunizante, mas levará ao menos uma década para se chegar a um produto final, testado e aprovado.

Até lá, a vacina atual continuará a ser usada. “O custo-benefício é muito positivo”, afirma Homma, ressaltando que os riscos são bem menores do que os da doença – cuja taxa de mortalidade, nos casos mais graves, beira os 50%. Efeitos colaterais simples, como mal-estar, febre e dor de cabeça são relativamente comuns, ocorrendo em até 5% dos vacinados. Reações adversas graves, que incluem a própria febre amarela (ou doença viscerotrópica aguda), são bem mais raras, com estatísticas que variam de 1 a cada 400 mil até 1 milhão de aplicações, dependendo do estudo e da população em questão.“São casos extremamente raros, porém extremamente graves”, diz o virologista Pedro Vasconcelos, diretor do Instituto Evandro Chagas, em Belém (PA), que também defende o desenvolvimento de uma nova vacina. “Temos vários grupos no Brasil capazes de fazer isso.”

No Estado de São Paulo, pelo menos 3 pessoas morreram por reação à vacina desde janeiro de 2017, em um universo de 7 milhões de pessoas vacinadas, segundo dados mais recentes da Secretaria de Estado da Saúde. Outros casos estão em investigação. “É um risco aceitável nas condições atuais. Mas vale a pena, sim, investir em uma vacina mais moderna”, reforça o imunologista Jorge Kalil, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

 

Deixe seu comentário: